Terça-feira, 5 de Agosto de 2008
BRINCADEIRA

 

-

          Apetecia-me poder continuar aquí contigo

      a brincar ao esconde esconde

       com as palavras mágicas

       Apetecia-me agora saborear

       o mel puro dos teus lábios doces

       ao pôr do sol rubro

       Apetecia-me dançar correr

       Pelos belos campos de trigo doirado

       donde colheria o pão nosso

       Apetecia-me tanto

       estar na ilha...

 

Este post foi descaradamente roubado à Maria de "o cheiro da ilha", as palavras a vermelho são de minha autoria, elas preenchem o espaço que a Maria tinha ocupado com quadrados, aos quais eu achei graça e resolvi trocá-los por palavras.

As minhas desculpas à Maria pela minha ousadia (brincadeira).

 



publicado por POESIA-NO-POPULAR às 09:49
link do post | comentar | favorito
|

4 comentários:
De maria a 5 de Agosto de 2008 às 17:36
:)
Achei uma delícia esta brincadeira...
Ficou bem melhorado com as tuas palavras, poeta....

Obrigada!

Beijos


De Utopia das Palavras a 18 de Agosto de 2008 às 00:20
Brincadeira muito criativa e enriquecedora.
Gostei bastante.
Um abraço à autora e ao brincalhão.
Bjs
Ausenda


De Jofre Alves a 20 de Dezembro de 2008 às 19:14
Meu caro, passo para ver e apreciar o seu sempre interessante e sempre combativo blogue, um foco de interesse permanente e de belas e sentidas poesias. Desejo, também, um Feliz Natal cheio de imensa felicidade, com muito bacalhau e rabanadas minhotas.


De Paulo Luiz Mendonça. a 9 de Março de 2011 às 17:58
TRISTE PAISAGEM

Admirando a triste paisagem
Nos destroços nos entulhos
Que antes foi grande orgulho
De uma morada feliz
Hoje só restam farrapos
De cortinas com status
Nas ruínas do chafariz

Alguns anos lá no passado
Era uma morada feliz
Com flores toda enfeitada
Com perfume de jasmim
Hoje só restam escombros
Em meio a muitos assombros
Tudo teve o mesmo fim

Nossas vidas são como casas
Foram outrora deslumbrantes
Também foram cativantes
Já tivemos nossa emoção
Agora no fim da jornada
Com a beleza desmoronada
É bem triste a sensação
Da beleza só restam escombros
E o peso dos anos nos ombros
Que nos fere o coração.

Esta poesia foi extraída do livro Cônicas Indagações e Teorias, autor Paulo Luiz Mendonça.




Comentar post

.mais sobre mim
.Agosto 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


.posts recentes

. BRINCADEIRA

. DESGARRADA POÉTICA POPULA...

. "SER CRIANÇA"

. POESIA A MOTE

. MEUS DEDOS

. POESIA -A- MOTE

. NO OUTONO DA VIDA

. "DESGARRADA POÉTICA"

. CONTINUAÇÃO DO POST ANTER...

. "CULTURA POPULAR"

.arquivos

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Janeiro 2008

. Dezembro 2007

.favoritos

. DVD de ALFREDO MARCENEIR...

.links
.as minhas fotos
.pesquisar
 
blogs SAPO
.subscrever feeds